[ O Ataque ao Cofre – Do Livro “1808”, de Laurentino Gomes ]

5734232_1GG

Continuação do capítulo 15…

O poder desses dois personagens, Azevedo e Targini, era tão grande que, em reconhecimento aos seus serviços, durante o governo de Dom João VI ambos foram promovidos de barão a visconde. O primeiro tornou-se o visconde do Rio Seco. O segundo, o visconde de São Lourenço. A promoção dos dois corruptos fez com que os cariocas, fiéis à sua vocação de satirizar até as próprias desgraças, celebrizassem a roubalheira em versos populares:

Quem furta pouco é ladrão

Quem furta muito é barão

Quem furta mais furta e esconde

Passa de barão a visconde

Nas suas cartas, o arquivista real Luiz Joaquim dos Santos Marrocos também reproduz um verso popular sobre eles:

Furta Azevedo no Paço

Targini rouba no Erário

E o povo aflito carrega

Pesada cruz ao Calvário

 

Comentário: com este post encerro a publicação do capítulo 15 do livro do Laurentino Gomes. Decidi publicar esse capítulo na íntegra como uma forma de mostrar que o assalto aos cofres públicos é história antiga nesta terra chamada Brasil. Nos próximos posts irei publicar alguns trechos que venho marcando. O livro, como disse no post de abertura desta série, é muito bom. Sua linguagem é bem clara e acessível.

Escreva o que pensa a respeito...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s