[ Ainda sobre a questão do analfabetismo… ]

Ensinar um sujeito a ler, a decodificar signos alfanuméricos, a identificar palavras e junta-las formando assim frases e parágrafos é relativamente fácil e simples. O ato de leitura e escrita é de certa forma ação puramente mecânica, não exige muito esforço mental depois de um certo tempo. A coisa fica automatizada.

O maior desafio mesmo é fazer esse leitor compreender o que leu e assim formar um pensamento crítico acerca daquilo que leu.

Ler e não compreender o que leu e por conseguinte não conseguir formar um juízo crítico é tão danoso como o analfabetismo em si. Aliás, os estudiosos até classificam isso como sendo analfabetismo funcional – o sujeito sabe ler e escrever mas não compreende o que leu nem o que escreveu.

[ Aos Fiscais do Voto Alheio ]

Não exijam de mim qualquer posicionamento mais entusiasmado neste segundo turno.

Este cenário que se desenhou, a meu ver, foi o segundo pior. O primeiro teria sido o Indigitado ter fechado a fatura logo no 1o turno.

Meu estado de espírito é de grande pessimismo e desânimo não somente pelo que está por vir no curto prazo como também com o que virá no médio e longo. Só pra vocês terem uma ideia do tenebroso futuro, o PSL é hoje a segunda maior bancada da Câmara de Deputados com 52 eleitos.

Em 28 de outubro irei votar motivado não pela esperança, não pela alegria. Irei votar coagido, forçado a votar em um candidato menos ruim, impedido de votar no candidato que para mim tinha melhores condições de começar a diminuir essa divisão idiota e boba que estamos vivendo há algum tempo. Votarei chantageado.

Sim, meus amigos, as eleições perderam totalmente a graça pra mim. Os memes que surgirem a partir de agora não terão o mesmo efeito cômico.

E não adianta vir com essa lorota de “a esperança vai vencer o medo”. A minha esperança morreu, ela não é a última que morre, é de fato a única que morre.

Já disse e repetirei enquanto for preciso, eleições são condições necessárias para toda e qualquer democracia. Porém, não são e jamais serão condições suficientes para a existência da democracia. Quem acredita que democracia se resume a vencer eleições está redondamente enganado. Há muito mais coisas envolvidas.

E seja lá quem vencer em 28 de outubro, faço minhas as palavras do Mestre Yoda: “Vitória? Vitória, você diz? Mestre Obi-Wan, não vitória. O manto do lado sombrio caiu sobre nós”.

Peço aos amigos que se engajarão em tentar eleger seu candidato de preferência, seja ele qual for, que respeitem essa minha decisão.

A partir de agora vou deixar o parquinho das eleições. Não tem mais graça a brincadeira…

😭

[ O Eleitor Envergonhado ]

Há algum tempo ouvi essa expressão, eleitor envergonhado e também uma derivada dela, o voto envergonhado.

Mas que raios vem a sr isso? Que categorias são essas??
Bem, há quem defenda a ideia que parte da eleição de Donald Trump se deveu ao voto ou eleitor envergonhado.

O voto ou eleitor envergonhando é nada mais nada menos que aquele sujeito que vai votar em um candidato que tá todo mundo falando mal dele, que tá todo mundo descendo o cacete nele e no que ele representa, mas apesar de tudo isso o eleitor envergonhado sente simpatia pelo sujeito e votará nele. Só não vai é sair do armário pois assim ele fica queimando entre os familiares, entre os colegas de trabalho, enfim, se lasca todo!!!

Fico pensando às vezes se poderá acontecer nas eleições que se avizinham (gente, faltam somente três semanas!!!! 😯😯) um grande contingente de eleitores envergonhados que irão depositar seus envergonhados votos na urnas e assim aumentando as chances do Indigitado vir a vencer quem sabe (batendo na madeira três vezes e se benzendo idem) logo no primeiro turno.

Tento afastar esses pensamentos querendo acreditar na lucidez da maioria do nosso eleitorado. E ao mesmo tempo tendo a achar que o contingente de eleitores envergonhados nem seja tão grande assim. Creio que existam sim eleitores envergonhados, mas torço para que eles não sejam assim tão numerosos. Oxalá que eu esteja certo!!!

Nos comentários trago um texto que achei interessante e que pode ajudar a compreender melhor esse fenômeno do eleitor envergonhado.
E você que chegou até este último parágrafo, o que pensa a respeito do voto envergonhado??

[ Novos Terrorismos Eleitorais ]

Em épocas de eleição é comum surgirem inúmeros boatos que não passam de puro terrorismo eleitoral.

São histórias do tipo que certos projetos serão descontinuados, que outros sequer serão iniciados, que conquistas coletivas serão eliminadas e por aí vai…

E dando uma olhada no menu de terrorismo eleitoral destas eleições fiquei imaginando que mais cedo ou mais tarde poderão surgir alguns destes caso determinado candidato seja eleito:

– O fim dos feriados.

– A diminuição do Carnaval para apenas dois dias.

– O fim das férias de julho nas escolas.

[ Eleições… Eleições… ]

Eleger alguém não é lá tão complicado assim. Se o candidato conta com:

1. Um forte padrinho que cole a sua imagem à do ungido fazendo com que a maioria do eleitorado passe a crer que o escolhido será uma espécie de “reencarnação” política do padrinho logo logo o eleitorado mediano passa a ter a idéia de que o eleito é a mesma coisa que o padrinho.

2. Uma boa equipe de marketing que produza excelentes peças publicitárias que sejam capazes de fazer com que alguém por mais desconhecido que seja do grande público se tornar uma verdadeira celebridade política. E como boa parte do eleitorado não se dará ao trabalho de checar as informações e grandes feitos que são atribuídos ao candidato fica mais fácil ainda criar uma imagem positiva. A Civilização do Espetáculo adora um espetáculo midiático!!

3. Um grande número de militantes que atuem tanto no mundo real como no virtual que tenham como missão tanto reforçar a imagem (ou seria produto?!) criada pela equipe de marketing bem como desconstruir todo e qualquer adversário que represente alguma ameaça ao projeto de eleger o ungido. E aí vale tudo! Esse pessoal é responsável por fazer boa parte do jogo sujo e baixo afinal de contas os grandes, os caciques não devem se envolver com esse tipo de ação já que precisam passar uma boa imagem (imagem é tudo!). Sem falar que nunca se sabe quando é que vai se aliar com aquele que hoje é inimigo mortal.

4. Um bom grupo de empresas financiadoras da campanha. Esse ponto é fundamental pois alguém precisa pagar a equipe de marketing, bem como muitas outras despesas de campanha e até alguma militância profissional. Os entes financiadores na verdade não fazem doações mas sim investimentos já que uma vez que o ungido seja eleito ele irá “retribuir” as doações na forma de generosos contratos. E assim temos a releitura de um ditado popular bastante conhecido: “Dize-me quem te financia que te direi quem és”.

Junte esses quatro elementos e dificilmente se perde uma eleição nessa pátria mãe gentil!

[ Eleitor Apaixonado Não É Igual a Torcedor Apaixonado ]

Pessoas, sinceramente, considero uma tremenda injustiça para com o futebol e seus entusiastas quando alguém diz que eleitor apaixonado por político de devoção é igual ao torcedor apaixonado por seu time do coração.

O torcedor apaixonado, por mais apaixonado que seja pelo time, na maioria das vezes consegue reconhecer quando o time vai mal, quando o time não fez uma boa partida e, principalmente, reconhece quando o time precisa mudar. E mais… O torcedor apaixonado fica puto com o time e cobra mudança de postura!

Agora vamos ao eleitor apaixonado. Este é incapaz de reconhecer as falhas de seu objeto de adoração. O eleitor apaixonado mesmo quando reconhece as merdas que seu político de estimação faz prefere sofrer calado e chorar dentro do banheiro. Criticar o objeto de adoração em público é quase uma blasfêmia. Ele acaba catalisando a ira dos demais apaixonados e até poderá ser considerado um herege.

Enfim, não comparemos mais estas duas categorias!!! O apaixonado pelo futebol é superior ao eleitor apaixonado!!!
😉

[ Mistificar ]

Pessoas… Cês já se deram conta de que nós, em geral, somos fissurados em mistificar as coisas?!?!

Seguinte… Isso deve ser algo bem ancestral, coisa do tempo em que vivíamos pelas savanas africanas, tentando todo dia sobreviver. Nossos ancestrais muito provavelmente tentavam entender o mundo ao seu redor através da criação de figuras idealizadas, que só existiam em sua imaginação.

Bem… Com o passar do tempo, penso eu, isso foi evoluindo, surgiram as mitologias, os deuses e tudo o mais.

Acontece que sinto que exegeramos e hoje em dia criamos mistificações com seres de carne e osso, como nós, e que são tão ou mais imperfeitos que nós!!!

Seguinte… Não falta ao imaginário do eleitorado médio a figura de um político ou grupo político que salvará a todos e resolverá senão todos mas pelo menos boa parte de toda essa bagunça em que estamos metidos!!!

Caras… Isso é ingênuo demais!!!

E nessas eleições, seja à direita seja à esquerda, estamos cercados de seres mistificados por nós mesmos, com soluções para tudo. E seus fiéis devotos são incapazes de reconhecer sua humanidade e por consequente suas limitações e falhas.