[ Ainda Sobre Amplificar as Idiotices e Imbecilidades ]

Estive refletindo acerca dessa mania e muitas vezes quase obsessão que temos em ajudar a espalhar e assim dar voz aos idiotas da aldeia Facebookeana.

Dessa reflexão surgiu uma hipótese. Hipótese essa que ainda precisa ser verificada e testada, portando ainda é não conclusiva.

Minha hipótese tenta responder a seguinte pergunta: O que nos leva a compartilhar tanto as Idiotices alheias?

Superficialmente, podemos acreditar que nossa principal motivação é porque acreditamos que ao compartilhar os absurdos dos idiotas da aldeia Facebookeana ajudamos a expor os mesmos e isso faria com que os mesmos fossem mais ainda ridcularizados pelos demais. Assim sendo, acreditamos estar fazendo justiça com as próprias mãos, ou melhor falando, com os próprios cliques.

Bom, mas isso é a superfície e nem sempre a superfície revela nossos desejos mais íntimos, mais secretos e que muitas vezes temos receio de mostrá-los ao mundo pois eles acabam também revelando traços sombrios de nossa personalidade.

E é aqui que minha hipótese surge.

A motivação de cunho mais íntimo pode ser a seguinte: ao ajudarmos com a divulgação das bestialidades dos idiotas da aldeia Facebookeana nos sentimos moralmente superiores. É como se na entrelinhas disséssemos: “Vejam como essa pessoa é vil! Eu não sou assim! Eu sou melhor que ela pois eu não concordo com ela. Sou moralmente melhor! Sou superior!”

E quanto mais damos voz aos idiotas da aldeia Facebookeana mais esse sentimento de superioridade moral deve nos dar doses cavalares de prazer, de gozo. Afinal de contas, somos péssimos juízes de nós mesmos. Na maioria das vezes construímos uma auto imagem bem melhor daquilo que realmente somos. Adoramos carregar nas tintas quando fazemos isso.

Mas como disse, isso é apenas uma hipótese que não foi verificada nem muito menos testada. E penso que dificilmente (talvez nunca) poderá ser verificada com exatidão pois não é possível, pelo menos ainda, entrar e vasculhar a mente dos outros da mesma forma que entramos em uma biblioteca e lemos os livros ali guardados. Somente nós mesmos é que temos pleno acesso aos nossos pensamentos e olhe lá. Creio que nem nós mesmos podemos afirmar com plena certeza o que se passa em nossas próprias mentes. O máximo que ainda fazemos a respeito da mente de outros é formular especulações. Ter plena certeza do que se passa na mente de outra pessoa ainda é algo inalcançável.

[ Acidentes e as Teorias da Conspiração ]

É tradição!!! É tradição!! Toda vez que acontece algum acidente que comove muita gente, na mesma velocidade que surgem as mensagens de pesar pintam também as Teorias da Conspiração elaboradas para solucionar o caso antes mesmo de qualquer investigação ser iniciada.

As Teorias da Conspiração facilmente ganham adeptos porque elas apresentam respostas para todas as dúvidas. Todas mesmo! Apesar de ninguém explicar como se chegou a essas conclusões.

O pior das teorias conspiratórias é que elas, ou melhor, seus criadores simplesmente ignoram inúmeros fatos ou deixam de explicar outros tantos para que a sua teoria possa fazer sentido. É aquele lance de ajustar a realidade à teoria quando o método científico prega justamente o contrário: ajustar a teoria aos fatos. Sim, investigação de acidentes requer método científico sim!

E com o advento das redes sociais e nossas bolhas de consenso as Teorias da Conspiração ficaram mais potentes ainda. Quem não possui alguma boa dose de ceticismo e também de pensamento racional vira presa fácil para as teorias conspiratórias.

Canja de galinha e prudência não faz mal a ninguém. Portanto, antes de sair por aí acreditando, e pior, espalhando teorias da conspiração que apresentam as mais estapafúrdias explicações para algo que ainda sequer começou a ser investigado é saudável controlar os dedinhos e a língua.

P.S.: a criação deste texto foi motivada pela notícia do tráfico acidente que hoje, 11 de fevereiro de 2019, tirou a vida do jornalista Ricardo Boeachat.

[ Meu Olhar que Flanou por Minas – 11.01.2019 ]

E nosso périplo pelas Minas Gerais chegou ao fim…

No dia 10 de Janeiro retornamos para Belo Horizonte. Como esse dia foi praticamente apenas viajando e cuidando de check-in, rearrumação de mala e outras coisinhas, acabamos mesmo passando boa parte do tempo no hotel e só saímos a noite para conhecer um pouco da vida noturna de BH atendendo indicações de amigos residentes nessa cidade.

Pequeno parênteses… Essa nossa primeira ida à noite belo-horizontina foi no Jack Rock Bar! Vale muito a pena se você curte rock!!!

No dia seguinte partimos em direção a Lagoa da Pampulha para explorar melhor o lugar uma vez que nossa primeira ida foi em meio a uma chuvinha e ainda não havíamos alugado um possante.

Agora minhas considerações finais…

Minas Gerais é um país! Brincadeira!!! É um lugar de gente simpática, acolhedora e muito bacana! Por onde andamos nesses dias todos fomos muito bem recebidos. Nunca faltou um sorriso no rosto. Sempre houve muita gentileza por parte de todos aqueles que por algum motivo recorremos para pedir informações. Penso que o melhor de Minas não é sua história, sua cultura, igrejas, cidades históricas, sua culinária, mas sim a sua gente. Comentei em minha página no Facebook que o sotaque mais simpático que já ouvi em nosso país é o do mineiro. É praticamente impossível não se encantar com esse povo. Espero voltar outras vezes a Minas. Quem sabe para conhecer outras regiões. Como disse linhas acima, Minas é um país.

Deixo aqui registrado o meu carinho por todos os mineiros que foram super hiper mega bacanas conosco em nossa viagem!!

[ Ainda sobre a questão do analfabetismo… ]

Ensinar um sujeito a ler, a decodificar signos alfanuméricos, a identificar palavras e junta-las formando assim frases e parágrafos é relativamente fácil e simples. O ato de leitura e escrita é de certa forma ação puramente mecânica, não exige muito esforço mental depois de um certo tempo. A coisa fica automatizada.

O maior desafio mesmo é fazer esse leitor compreender o que leu e assim formar um pensamento crítico acerca daquilo que leu.

Ler e não compreender o que leu e por conseguinte não conseguir formar um juízo crítico é tão danoso como o analfabetismo em si. Aliás, os estudiosos até classificam isso como sendo analfabetismo funcional – o sujeito sabe ler e escrever mas não compreende o que leu nem o que escreveu.

[ Aos Fiscais do Voto Alheio ]

Não exijam de mim qualquer posicionamento mais entusiasmado neste segundo turno.

Este cenário que se desenhou, a meu ver, foi o segundo pior. O primeiro teria sido o Indigitado ter fechado a fatura logo no 1o turno.

Meu estado de espírito é de grande pessimismo e desânimo não somente pelo que está por vir no curto prazo como também com o que virá no médio e longo. Só pra vocês terem uma ideia do tenebroso futuro, o PSL é hoje a segunda maior bancada da Câmara de Deputados com 52 eleitos.

Em 28 de outubro irei votar motivado não pela esperança, não pela alegria. Irei votar coagido, forçado a votar em um candidato menos ruim, impedido de votar no candidato que para mim tinha melhores condições de começar a diminuir essa divisão idiota e boba que estamos vivendo há algum tempo. Votarei chantageado.

Sim, meus amigos, as eleições perderam totalmente a graça pra mim. Os memes que surgirem a partir de agora não terão o mesmo efeito cômico.

E não adianta vir com essa lorota de “a esperança vai vencer o medo”. A minha esperança morreu, ela não é a última que morre, é de fato a única que morre.

Já disse e repetirei enquanto for preciso, eleições são condições necessárias para toda e qualquer democracia. Porém, não são e jamais serão condições suficientes para a existência da democracia. Quem acredita que democracia se resume a vencer eleições está redondamente enganado. Há muito mais coisas envolvidas.

E seja lá quem vencer em 28 de outubro, faço minhas as palavras do Mestre Yoda: “Vitória? Vitória, você diz? Mestre Obi-Wan, não vitória. O manto do lado sombrio caiu sobre nós”.

Peço aos amigos que se engajarão em tentar eleger seu candidato de preferência, seja ele qual for, que respeitem essa minha decisão.

A partir de agora vou deixar o parquinho das eleições. Não tem mais graça a brincadeira…

😭

[ O Eleitor Envergonhado ]

Há algum tempo ouvi essa expressão, eleitor envergonhado e também uma derivada dela, o voto envergonhado.

Mas que raios vem a sr isso? Que categorias são essas??
Bem, há quem defenda a ideia que parte da eleição de Donald Trump se deveu ao voto ou eleitor envergonhado.

O voto ou eleitor envergonhando é nada mais nada menos que aquele sujeito que vai votar em um candidato que tá todo mundo falando mal dele, que tá todo mundo descendo o cacete nele e no que ele representa, mas apesar de tudo isso o eleitor envergonhado sente simpatia pelo sujeito e votará nele. Só não vai é sair do armário pois assim ele fica queimando entre os familiares, entre os colegas de trabalho, enfim, se lasca todo!!!

Fico pensando às vezes se poderá acontecer nas eleições que se avizinham (gente, faltam somente três semanas!!!! 😯😯) um grande contingente de eleitores envergonhados que irão depositar seus envergonhados votos na urnas e assim aumentando as chances do Indigitado vir a vencer quem sabe (batendo na madeira três vezes e se benzendo idem) logo no primeiro turno.

Tento afastar esses pensamentos querendo acreditar na lucidez da maioria do nosso eleitorado. E ao mesmo tempo tendo a achar que o contingente de eleitores envergonhados nem seja tão grande assim. Creio que existam sim eleitores envergonhados, mas torço para que eles não sejam assim tão numerosos. Oxalá que eu esteja certo!!!

Nos comentários trago um texto que achei interessante e que pode ajudar a compreender melhor esse fenômeno do eleitor envergonhado.
E você que chegou até este último parágrafo, o que pensa a respeito do voto envergonhado??

[ Novos Terrorismos Eleitorais ]

Em épocas de eleição é comum surgirem inúmeros boatos que não passam de puro terrorismo eleitoral.

São histórias do tipo que certos projetos serão descontinuados, que outros sequer serão iniciados, que conquistas coletivas serão eliminadas e por aí vai…

E dando uma olhada no menu de terrorismo eleitoral destas eleições fiquei imaginando que mais cedo ou mais tarde poderão surgir alguns destes caso determinado candidato seja eleito:

– O fim dos feriados.

– A diminuição do Carnaval para apenas dois dias.

– O fim das férias de julho nas escolas.