[ Mudança de Comportamento ]

E depois de 4 dias de muito “pecado” para tantos eis que amanhã começam 40 dias de comportamento santo para muitos desses tantos para depois voltar à “normalidade”!!

Acho super curioso observar certas “penitências” quaresmais, como por exemplo, não beber nada alcoólico durante 40 dias. E findo o período de penitência, como numa espécie de festa da liberdade, na Semana Santa, desconta-se esses 40 dias de abstinência. Claro que bebendo vinho, não é?!? Já que o vinho é bebida santa neste período.

Ao invés de passar 40 dias sem ingerir álcool ou aquela bebida escura de origem norteamericana e que possui rótulo vermelho ou não comer doces, seria melhor considerar algumas das “penitências” abaixo:

1. Deixar a vida do outro em paz.

2. Parar de espalhar notícias falsas nas redes sociais.

3. Usar fones de ouvido quando quiser ouvir suas músicas estando junto a muitas pessoas, como dentro de um ônibus.

4. Ligar o pisca (ou seta) quando estiver dirigindo e for virar à esquerda ou à direita.

5. Ser gentil.

Talvez, quem sabe, praticar essas “penitências” durante quarenta dias possam torná-las hábito.

Ah… Humanidade!! Como são interessantes estas tuas posturas!!!

😉

[ Eleitor Apaixonado Não É Igual a Torcedor Apaixonado ]

Pessoas, sinceramente, considero uma tremenda injustiça para com o futebol e seus entusiastas quando alguém diz que eleitor apaixonado por político de devoção é igual ao torcedor apaixonado por seu time do coração.

O torcedor apaixonado, por mais apaixonado que seja pelo time, na maioria das vezes consegue reconhecer quando o time vai mal, quando o time não fez uma boa partida e, principalmente, reconhece quando o time precisa mudar. E mais… O torcedor apaixonado fica puto com o time e cobra mudança de postura!

Agora vamos ao eleitor apaixonado. Este é incapaz de reconhecer as falhas de seu objeto de adoração. O eleitor apaixonado mesmo quando reconhece as merdas que seu político de estimação faz prefere sofrer calado e chorar dentro do banheiro. Criticar o objeto de adoração em público é quase uma blasfêmia. Ele acaba catalisando a ira dos demais apaixonados e até poderá ser considerado um herege.

Enfim, não comparemos mais estas duas categorias!!! O apaixonado pelo futebol é superior ao eleitor apaixonado!!!
😉

[ Os Fiscais Abundam ]

É Fiscal da Revolta Alheia (“Aaahhh… Você tá revoltado com isso mas não ficou com aquilo!!!”).

É Fiscal da Dor Alheia (“Aaaaahhhh chora por essa tragédia, muda a foto do perfil mas não fez nada naquela outra!!!!”).

E agora tem mais um um, o Fiscal da Copa do Mundo (“Aaaaaahhhhh, como é que pode torcer por seleção estando o país desse jeito!??”).

É fiscal pra todo gosto dentro e fora da Caverna do Facebook!!!!

A abundância de fiscais da vida alheia me faz concluir que a a turma realmente não compreendeu quando JC, o cabeludo nazareno, disse “vigiai”!!! A moçada ao invés de vigiar a própria vida prefere vigiar a vida dos outros!!!

Fico impressionado como se gasta tempo com isso!!! Tempo esse que poderia ser melhor usado, como ppr exemplo, capinando um lote!!!

Mas enfim, cada um faz o que acha que é mais importante com o tempo e com a vida que tem.

Até que chegam a ser hilários e engraçados estes fiscais!!!

[ Distúrbios Mentais ]

As redes sociais fizeram surgir alguns distúrbios mentais bem curiosos.

Por exemplo, temos o paranóico das indiretas. É o sujeito que acredita que as pessoas em seus posts, vivem mandando indiretas pra ele. O paranóico das indiretas também é egocêntrico em nível elevado por acreditar que os demais realmente irão se ocupar em mandar indiretas para ele.

Outro distúrbio bastante comum é a ansiedade opinativa. Os que são acometidos por esse distúrbio acreditam que têm a obrigação de emitir opiniões sobre tudo no mundo. Um reflexo desses distúrbio é a profusão de opiniões equivocadas e sem nenhum embasamento, fazendo com que os posts de quem sofre desta anomalia seja um festival de abobrinhas e sandices que muitas vezes servem para divertir os demais.

Os psicólogos e psiquiatras ainda terão muito trabalho pela frente para tratar não somente destes mas de muitos outros distúrbios provocados pelo uso excessivo de redes sociais.

😉

[ Fenômenos Curiosos ]

Faz algum tempo observo que o acesso à informação que vem se tornando cada vez mais amplo e facilitando gera em muitos de nós dois fenômenos curiosos e similares.

O primeiro é a sensação de possuir muito conhecimento. Mas informação e conhecimento são duas categorias distintas. Saber o que fazer com as informações constitui conhecimento. O conhecimento também envolve saber separar a informação boa da ruim. Conhecimento requer reflexão, isto é, pensar sobre as informações disponíveis.

O segundo é a impressão de que se é sábio. Se o conhecimento é uma categoria bem diferente da informação, sabedoria é mais ainda. A sabedoria requer muito mais reflexão e ponderação assim como alguma dose de prudência até.

Venho notando, e isso é uma observação puramente pessoal e não está embasada em nenhuma quantificação mais séria e rigorosa, que estes dois fenômenos são muito comuns entre a rapaziada de vinte e poucos anos.

[ Reflexão vespertina ]

Curiosamente somos bastante influenciados (e quiçá comandados) por diversas entidades puramente abstratas tais como:

– O sistema (é quase um deus, onipresente e onisciente).

– A mídia (é outra que é quase um deus!).

– O governo (sim, o governo é uma entidade abstrata, as pessoas que fazem parte do mesmo, que os representa, são meras representações, ou melhor, instâncias dessa classe puramente abstrata).

Curioso notar também é que muitas vezes é extremamente mais cômodo e confortável, culpar e responsabilizar essas entidades abstratas por tudo aquilo que consideramos errado ou incorreto. Como se essas entidades abstratas fossem entes independentes, que possuem vontade própria, agem conforme um plano elaborado por elas mesmas.

Mas há um elemento comum a essas entidades. Existe um elo que as liga.

Afinal qual o elemento comum que existe entre essas três abstrações?!

R: Todas elas são criações da espécie humana!!! E assim, de criadores passamos a reféns, servos, dependentes, da criatura!!!

Não seria melhor ao invés de culpar essas criações humanas puramente abstratas voltarmos a nossa crítica a nós mesmos?! Entender que aquilo que atribuímos a estas entidades abstratas no final das contas não passa de nossa própria culpa máxima culpa?!

😉

[ O Caminho do Meio ]

Os orientais possuem um entendimento há muito difundido entre nós ocidentais. É o famoso caminho do meio. 

Segundo esse entendimento o equilíbrio é o que deve ser buscado. Em linhas gerais e mais popularmente falando, podemos dizer que tudo demais é veneno!

Sou adepto dessa linha de pensamento e por conta disso quando vejo certos exageros começo e pensar que pode-se estar indo por um caminho não muito bom.

Noto que o orgulho de um povo pode se encaixar nesse pensamento.  Em certa dose é bastante salutar que um povo seja orgulhoso de si, de suas realizações, de seus feitos e conquistas. Porém quando esse orgulho se torna grande demais, de forma exagerada, esse orgulho passa a ser uma atitude arrogante. A arrogância cega! Orgulho demais pode levar a um mundo de fantasia onde a pessoa ou até mesmo um povo acredite piamente num conjunto de verdades que foi construída em cima desse orgulho que acabou se transformando em arrogância. 

O excesso de orgulho e a conseqüente arrogância é capaz até mesmo de dificultar a auto-crítica! 

Para finalizar essa meditação lembro da história de um imperador romano que diziam possuir um auxiliar que ficava ao seu lado sempre que eles voltavam de alguma campanha vitoriosa e entravam em Roma sendo aclamados pelo povo. Esse auxiliar ficava constantemente falando ao imperador: “Você é humano! Você é humano!”. Era uma forma de lembrar o imperador que ele era falho e que não deveria entrar na vala comum do excesso de orgulho e por conseguinte arrogância.

😉