[ Diário da Pós ]

Neste semestre estou cursando Aspectos Formais da Computação e Lógica Modal no MDCC* da UFC. Em ambas, tirando os professores, eu sou o mais velho em sala de aula.

Sim, estou, digamos um tanto “véio” para estar cursando mestrado e até doutorado. Ao longo da minha vida profissional fiz umas escolhas e hoje estou nessa. Mas isso é assunto para outro post. Aceito de boa que estou fora de faixa!! Devia ter Mestrado e Doutorado em Regime Especial para quem está na minha situação. 😉

Porém, tenho achado um grande barato estar no meio dos xóvens. Em Lógica Modal, além de conviver com alunos da pós, também estou com alunos da graduação. É uma experiência bacana. Imagino que no primeiro dia de aula do semestre, quando entrei na sala, algum deles deve ter pensado que eu fosse o professor. Minha barba já um tanto embranquecida e os cabelos idem eram as evidências mais fortes.


Tomara que eles tenham pensado que eu era o professor e não um daqueles veteranos que vão se eternizando nos cursos de graduação e pós e que acabam virando lendas e até mesmo uma piada de departamento. Na minha graduação tínhamos um colega que fazia tanto tempo que ele estava fazendo Ciência da Computação que até já havia se tornado um pré-requisito, isto é, para colar grau você tinha que fazer pelo menos uma disciplina com esse dito colega ao longo do curso.

Pois muito bem…

Na aula de hoje, de Aspectos Formais, nossa professora estava tentando explicar um conceito através de uma analogia com um bordão de uma celebridade da década de 80/90 do século XX. Foi então que a professora disse assim:

“Pessoal, esse conceito é como uma frase que a Monique Evans dizia!! Bem… Acho que além de mim, aqui somente o Hudson sabe quem foi a Monique Evans!!!”

Rimos todos.

E aproveitei para explicar para meus colegas quem era Monique Evans!!!
Em Aspectos Formais, somos apenas quatro alunos. Todos da pós. Somos dois do mestrado e dois do doutorado. São umas pessoas ótimas que depois irei fazer um [ Diário da Pós ] para falar de cada um deles.

* Mestrado E Doutorado Em Ciência da Computação

[ Homenagem ao Mestre ]

A noite de 19 de outubro de 2017 está marcada em minha memória. Neste noite realizamos o encerramento da VI Semana do Curso de Ciências da Computação. Curso este onde sou professor e também já fui aluno.

Em um dos momentos da noite fiquei encarregado de fazer uma homenagem a um ex-professor e ex-colega de curso que por motivos de saúde precisou aposentar-se.

Logo abaixo está o texto que li em homenagem ao Prof. Júnior. Logo em seguida algumas fotos que ganharão muito mais significado com o passar do tempo.

Além do prof. Júnior homenageamos também a D. Anastácia que durante muitos anos foi secretária do Curso de Ciências da Computação

Ao Mestre Com Carinho

Antes de dar prosseguimento à minha fala preciso dizer que fiquei muito honrado com esta missão que recebi dos estudantes do Curso, representados pelo presidente do Centro Acadêmico. Moçada, valeu demais!!!! Vocês são 10/10!!!

Muitos aqui, especialmente os mais jovens, não sabem, mas quando o professor Júnior chegou no CIUVA, ou melhor, no Centro de Informática da UVA, tudo era mato!!!! Naqueles dias ainda estava longe a chegada da internet comercial no Brasil. Apenas as Universidades e tenho pra mim que não eram todas, bem como outros centros de pesquisa, possuíam conexão com a RNP – Rede Nacional de Pesquisa (para maiores informações, por favor buscar junto àquele que tudo sabe, o Google).

Imagino que foram imensos os desafios que o Prof. Júnior enfrentou naquela época… Mas vamos avançar um pouco na história…

Há 20 anos nascia nosso curso de Ciências da Computação. Esse curso tem vários pais e algumas mães (sim, pessoal, houve uma época em que além da profa. Lorena havia pelo menos mais outra professora!!!! Lembranças à Profa. Gladsa Castro. Acho que vários de nós aqui são sobreviventes de Banco de Dados II, com a Gladsa!!!!) Mas essas lembranças já foram muito bem expostas pelo Prof. Lourival na abertura do evento…

Já que estamos falando de histórias, agora preciso contar para vocês um pouco da minha história que tem a participação do Prof. Júnior. A nossa história começa quando eu era aluno do Curso de Tecnologia da Construção Civil. Naquela época, em praticamente todos os cursos da UVA havia a disciplina Introdução à Ciência da Computação, popular ICC. E foi nessa disciplina que fui aluno o Prof. Júnior pela primeira vez. Foi o professor Júnior quem me ensinou, não o Bê-a-Bá, mas sim os primeiros comandos do MS-DOS (Xóvens… Depois o tio aqui fará um seminário sobre História Recente da Computação e nele contará para vocês o que era o MS-DOS).

O tempo passou, eu me formei em Tecnologia da Construção Civil, apesar de nunca ter projetado uma casa de cachorros ou galinheiro. Mas antes mesmo de terminar Tecnologia comecei a trair as telhas e os tijolos com os bits e bytes. E nesse momento meus caminhos cruzam novamente com os do prof. Júnior. Foi quando comecei a me interessar por programação de computadores. E aí surgiu a oportunidade de fazer um curso de Lógica de Programação, ministrado pelo Prof. Júnior. Acho que foi uma das primeiras ações de extensão do Curso de Ciências da Computação. E lá fui eu, assim como muitos, ouvir falar da caixinhas, como analogia às variáveis!Quem foi aluno do prof. Júnior deve lembrar muito bem dessa analogia assim como sua paixão pelo Santos, seu time do coração!

Curso feito, fiquei com nota sete no final!!! Prof. o certificado está aqui!!!! Depois eu mostro pra moçada!!!!

Depois de algum tempo “brincando” com os bits e bytes num projeto que eu trabalhava aqui na Universidade resolvi criar vergonha na cara e fazer o vestibular para Computação. E foi então que novamente o professor Júnior se torna personagem na minha história de vida. Como aluno da Computação (entrei em 2000, se não me falhe a memória) tive o prof. Júnior como Coordenador. lembro que o curso funcionava lá no Campus da Betânia, numas salas que durante o turno da manhã funcionava o Curso de Zootecnia. Nosso laboratório de informática era bem modesto. Bom, comparado ao que temos hoje em dia ele estava abaixo da linha da pobreza. Mas foi naquele modesto laboratório que muitos de nós aqui demos nossos primeiros passos no mundo da computação.

Novo salto na história senão a gente não sairemos daqui hoje!!!!

Em 2008, assumi como professor efetivo do curso. Antes dessa data já havia sido professor substituto (por isso, Igor que todo ano no Dia do Professor eu faço aquela postagem do seu Madruga como professor. Sacou??!!) E assim que assumi a vaga como professor, agora mais do que nunca sendo colega de vários ex-professores, o prof. Lourival me deu de “presente” a Coordenação do Curso!!! E a partir daquele momento além de ser colega do prof. Junior estava sendo seu coordenador. Vocês não imaginam como tudo aquilo me pareceu estranho num primeiro momento. Mas ao mesmo tempo me enchia de felicidade. Pois devia a estes agora colegas professores a minha formação. Aproveito para agradecer a eles por me ajudar a ser o que sou hoje! O professor Hudson tem um pouquinho de cada um vocês. Sintam-se homenageados.

Mas o homenageado da noite é o professor Júnior. Hoje pela manhã disse aos meus padawans do primeiro e do segundo período que haveria essa homenagem e que eles deveriam vir aqui conhecer o homem que foi um dos idealizadores desse curso. O homem que um dia sonhou com um Curso de Ciências da Computação em pleno semiárido cearense. Ele sonhou e realizou. Enfrentou muitos desafios e venceu todos. O homem que ajudou muitos de nós a organizar seus pensamentos, afinal de contas, a tarefa principal da Lógica de Programação é issa. Esse homem que hoje olha para nós que somos cria do Curso de Ciências da Computação e lá no seu íntimo deve pensar: “Missão cumprida!!” Prof. Júnior em nome de todos os estudantes e ex-estudantes do Curso de Ciências da Computação, deixo aqui registrado o nosso muito, muito obrigado mesmo!!! Somos eternamente gratos a você!!!

 

[ O Drama de Muitos Estudantes ]

image

Dependendo do curso que você faz, as pessoas em geral acabam construindo uma imagem a seu respeito e também acreditam que você seja possuidor de certas competências.

Vamos a alguns exemplos bem pitorescos!!

Se você diz que é estudante de Matemática logo logo vai aparecer alguém pedindo para você fazer contas “de cabeça”. Especialmente na hora de rachar as contas com a turma no bar!!

Se você diz que cursa História imediatamente pode pintar alguém perguntando o que aconteceu em diversas datas, como se você fosse uma espécie de enciclopédia ambulante.

Se você diz que faz Letras, não tardará surgir alguém perguntando o significado de um sem número de palavras. Será que o fato de ser estudante de Letras o transforma em um dicionário que anda??!!!

Se você faz Ciência da Computação ou qualquer outro curso que lide com computadores sempre vai pintar alguém querendo que você dê uma arrumada no computador ou ajuste o Windows!!!

Se você diz que faz Direito logo logo se transforma numa espécie de consultor jurídico 0800 para muitos! Não podem lhe ver que já aparecem com alguma questão  para você analisar.

Se você faz Geografia e não sabe o nome das capitais de todos os estados brasileiros e de todos os países do mundo, muitos já começam a achar que você não é um estudante muito dedicado.

Se você diz que faz Química pensam logo que você sabe fabricar tudo quanto é produto de limpeza ou alucinógeno para usar no Carnaval!!

Se você diz que faz Física muitos pensam logo que você estuda num lugar igual ao CERN e que você é uma mistura de Einstein com Newton e todos os cientistas do Projeto Mahatan.

Enfim, a lista pode tender ao infinito…

😉