[ Uma Conjectura em Aberto ]

Vira e mexe chego a pensar que o grau de civilidade de uma dada sociedade é inversamente proporcional ao grau de judicialização da mesma.

Em outras palavras, quanto mais um povo se vale do Poder Judiciário para resolver seus conflitos menos civilizado ele é, pois isso demonstra uma grande incapacidade de resolução de conflitos entre os próprios integrantes desse povo. Ou seja, esse povo precisa muito que alguém interfira para resolver conflitos que, muitas vezes, poderiam ser resolvidos através do diálogo, sem a necessidade de um Juiz entre as partes. Outra conclusão que deriva disso é que se um povo não consegue resolver suas diferenças através do diálogo esta é mais uma demonstração da falta de civilidade e, quiçá, maturidade.

Esse pensamento sempre vem à minha mente quando ouço ou leio expressões do tipo: “vou processar esse canalha!!”, “Mete um processo nessa criatura pra ele aprender!!!”, dentre tantas outras do gênero.

Mas essa conjectura está aberta, como diz o título deste post. Para prová-la se faz necessário um estudo empírico. Por enquanto, é apenas especulação.

​[ Os Pequenos Conflitos Nossos de Cada Dia ]

Ontem, dia 21, o prefeito de Sobral esteve sendo entrevistado em um programa de rádio local. 

Não cheguei a ouvir toda a entrevista mas o pouco que ouvi achei interessante. 

Teve uma informação passada pelo gestor municipal que muito chamou a  minha atenção. Segundo o prefeito, a maioria dos chamados recebidos pelo CIOPS se refere a queixas de som alto, perturbação da paz, como preferem alguns.

Essa informação me levou a um pensamento: caso o prefeito não esteja equivocado, essa informação demonstra o quanto ainda somos incapazes de solucionar pequenos conflitos sem a necessidade de intervenção estatal.

Há algum tempo li uma entrevista onde era dito que nós brasileiros temos uma tendência grande a judicializar tudo em quanto. Ou seja, há muitos conflitos na Justiça que poderiam muito bem ser resolvidos através de um simples acordo sem a necessidade de intervenção do Poder Judiciário.

Nesse semestre mesmo comentei isso com um colega professor que também é advogado e ele acabou confirmando isso.

Enfim, se ainda precisamos da polícia para exigir que meu vizinho baixe o som alto que me incomoda é sinal de que ainda temos um longo caminho a ser percorrido até nos tornarmos uma sociedade mais civilizada.