[ Aos Fiscais do Voto Alheio ]

Não exijam de mim qualquer posicionamento mais entusiasmado neste segundo turno.

Este cenário que se desenhou, a meu ver, foi o segundo pior. O primeiro teria sido o Indigitado ter fechado a fatura logo no 1o turno.

Meu estado de espírito é de grande pessimismo e desânimo não somente pelo que está por vir no curto prazo como também com o que virá no médio e longo. Só pra vocês terem uma ideia do tenebroso futuro, o PSL é hoje a segunda maior bancada da Câmara de Deputados com 52 eleitos.

Em 28 de outubro irei votar motivado não pela esperança, não pela alegria. Irei votar coagido, forçado a votar em um candidato menos ruim, impedido de votar no candidato que para mim tinha melhores condições de começar a diminuir essa divisão idiota e boba que estamos vivendo há algum tempo. Votarei chantageado.

Sim, meus amigos, as eleições perderam totalmente a graça pra mim. Os memes que surgirem a partir de agora não terão o mesmo efeito cômico.

E não adianta vir com essa lorota de “a esperança vai vencer o medo”. A minha esperança morreu, ela não é a última que morre, é de fato a única que morre.

Já disse e repetirei enquanto for preciso, eleições são condições necessárias para toda e qualquer democracia. Porém, não são e jamais serão condições suficientes para a existência da democracia. Quem acredita que democracia se resume a vencer eleições está redondamente enganado. Há muito mais coisas envolvidas.

E seja lá quem vencer em 28 de outubro, faço minhas as palavras do Mestre Yoda: “Vitória? Vitória, você diz? Mestre Obi-Wan, não vitória. O manto do lado sombrio caiu sobre nós”.

Peço aos amigos que se engajarão em tentar eleger seu candidato de preferência, seja ele qual for, que respeitem essa minha decisão.

A partir de agora vou deixar o parquinho das eleições. Não tem mais graça a brincadeira…

😭

[ Missão ]

Quando a campanha eleitoral começa noto que uma das missões dos apoiadores de candidatos é apresentar justificativa para toda e qualquer ação dos candidatos.

Por mais estapafúrdia que seja a ação dos candidatos sempre haverá um rosário de apoiadores tentando a todo custo justificá-la.

O malabarismo retórico é o mais divertido. A turma de apoiadores consegue muitas vezes subverter a lógica criando a sua própria versão da realidade.

É fácil identificar a tentativa de justificar a lambança. As justificativas geralmente começam com frases do tipo: “Vaja bem…”, “Não foi bem assim…”, “Você não entendeu, na verdade é isso…”.

E não adianta mostrar para o apoiador de candidato que ele está tentando adequar a realidade à sua visão de mundo pois quando a paixão toma de conta da pessoa não tem mais jeito.