[ Ainda Sobre Amplificar as Idiotices e Imbecilidades ]

Estive refletindo acerca dessa mania e muitas vezes quase obsessão que temos em ajudar a espalhar e assim dar voz aos idiotas da aldeia Facebookeana.

Dessa reflexão surgiu uma hipótese. Hipótese essa que ainda precisa ser verificada e testada, portando ainda é não conclusiva.

Minha hipótese tenta responder a seguinte pergunta: O que nos leva a compartilhar tanto as Idiotices alheias?

Superficialmente, podemos acreditar que nossa principal motivação é porque acreditamos que ao compartilhar os absurdos dos idiotas da aldeia Facebookeana ajudamos a expor os mesmos e isso faria com que os mesmos fossem mais ainda ridcularizados pelos demais. Assim sendo, acreditamos estar fazendo justiça com as próprias mãos, ou melhor falando, com os próprios cliques.

Bom, mas isso é a superfície e nem sempre a superfície revela nossos desejos mais íntimos, mais secretos e que muitas vezes temos receio de mostrá-los ao mundo pois eles acabam também revelando traços sombrios de nossa personalidade.

E é aqui que minha hipótese surge.

A motivação de cunho mais íntimo pode ser a seguinte: ao ajudarmos com a divulgação das bestialidades dos idiotas da aldeia Facebookeana nos sentimos moralmente superiores. É como se na entrelinhas disséssemos: “Vejam como essa pessoa é vil! Eu não sou assim! Eu sou melhor que ela pois eu não concordo com ela. Sou moralmente melhor! Sou superior!”

E quanto mais damos voz aos idiotas da aldeia Facebookeana mais esse sentimento de superioridade moral deve nos dar doses cavalares de prazer, de gozo. Afinal de contas, somos péssimos juízes de nós mesmos. Na maioria das vezes construímos uma auto imagem bem melhor daquilo que realmente somos. Adoramos carregar nas tintas quando fazemos isso.

Mas como disse, isso é apenas uma hipótese que não foi verificada nem muito menos testada. E penso que dificilmente (talvez nunca) poderá ser verificada com exatidão pois não é possível, pelo menos ainda, entrar e vasculhar a mente dos outros da mesma forma que entramos em uma biblioteca e lemos os livros ali guardados. Somente nós mesmos é que temos pleno acesso aos nossos pensamentos e olhe lá. Creio que nem nós mesmos podemos afirmar com plena certeza o que se passa em nossas próprias mentes. O máximo que ainda fazemos a respeito da mente de outros é formular especulações. Ter plena certeza do que se passa na mente de outra pessoa ainda é algo inalcançável.

[ Os Fiscais Abundam ]

É Fiscal da Revolta Alheia (“Aaahhh… Você tá revoltado com isso mas não ficou com aquilo!!!”).

É Fiscal da Dor Alheia (“Aaaaahhhh chora por essa tragédia, muda a foto do perfil mas não fez nada naquela outra!!!!”).

E agora tem mais um um, o Fiscal da Copa do Mundo (“Aaaaaahhhhh, como é que pode torcer por seleção estando o país desse jeito!??”).

É fiscal pra todo gosto dentro e fora da Caverna do Facebook!!!!

A abundância de fiscais da vida alheia me faz concluir que a a turma realmente não compreendeu quando JC, o cabeludo nazareno, disse “vigiai”!!! A moçada ao invés de vigiar a própria vida prefere vigiar a vida dos outros!!!

Fico impressionado como se gasta tempo com isso!!! Tempo esse que poderia ser melhor usado, como ppr exemplo, capinando um lote!!!

Mas enfim, cada um faz o que acha que é mais importante com o tempo e com a vida que tem.

Até que chegam a ser hilários e engraçados estes fiscais!!!

[ Distúrbios Mentais ]

As redes sociais fizeram surgir alguns distúrbios mentais bem curiosos.

Por exemplo, temos o paranóico das indiretas. É o sujeito que acredita que as pessoas em seus posts, vivem mandando indiretas pra ele. O paranóico das indiretas também é egocêntrico em nível elevado por acreditar que os demais realmente irão se ocupar em mandar indiretas para ele.

Outro distúrbio bastante comum é a ansiedade opinativa. Os que são acometidos por esse distúrbio acreditam que têm a obrigação de emitir opiniões sobre tudo no mundo. Um reflexo desses distúrbio é a profusão de opiniões equivocadas e sem nenhum embasamento, fazendo com que os posts de quem sofre desta anomalia seja um festival de abobrinhas e sandices que muitas vezes servem para divertir os demais.

Os psicólogos e psiquiatras ainda terão muito trabalho pela frente para tratar não somente destes mas de muitos outros distúrbios provocados pelo uso excessivo de redes sociais.

😉

[ Leis do Facebook – O Critério de Verdade ]

Se uma notícia está de acordo com meu conjunto de crenças, combina com aquilo que penso então essa notícia é verdadeira e seu veículo de divulgação é sério e honesto. Caso contrário, se a notícia não combina com meu conjunto de crenças nem com aquilo que penso então essa notícia é mentirosa e seu veículo de divulgação não é serio e é desonesto.

😉

[ Por que Amamos o Facebook? ]

1. Nele nosso ego vive sendo massageado.

2. Se dizemos que estamos tristes em pouco tempo surgem inúmeras mensagens para melhorar nosso astral. Conforto psicológico não falta.

3. Quando xingarmos alguém não faltarão pessoas que desejavam fazer o mesmo e estas juntam-se a nós num imenso coro de xingadores.

4. Quando reclamamos de algo sempre surge uma legião de reclamadores com a mesma queixa. Assim nossa sensação de pertencimento a um grupo cresce mais ainda.

5. Por mais insana, sem noção e louca que seja uma ideia que defendemos haverá pelo menos uma pessoa, na pior das hipóteses, que concordará conosco e dessa forma não nos sentimos sós, pregando no deserto.

6. Há soluções para praticamente todos os problemas. Com uma quantidade imensa de especialistas em tudo em quanto dificilmente um problema fica sem solução no Facebook.

7. Há certezas sem fim no Facebook. Nossas certezas geralmente encontram muitos outros que compartilham as mesmas. E quanto mais gente tiver as mesmas certezas mais convencidos ficamos de que estamos certos ou do tal lado certo da história.

8. Quando estamos nos sentindo carentes e sem a atenção dos demais, basta postar algo polêmico no Facebook que em dois tempos somos notados, seja por quem concorda com a nossa opinião polêmica seja por quem é contra. Afinal de contas, “Posto, logo existo!”.

9. É no Facebook que nos damos conta do quanto somos bons, politizados, esclarecidos, atualizados, cultos, não alienados, dentre tantos outros adjetivos elogiosos. Quando nos damos conta disso sempre lembramos dos versos da canção que diz: “É que Narciso acha feio o que não é espelho”.

É por essas e outras que não somente o Facebook mas muitas outras redes sociais são tão amadas por nós.

😉

[ A Treta Inútil de Sempre ]

É fato: toda vez que o assunto nazismo vem à tona surge alguém pra dizer que o nazismo é “de esquerda” ou alguém que afirma que o nazismo é “de direita”.

Vamos e venhamos, isso acaba reduzindo perigosamente a questão do nazismo.

Mas essa atitude é bem típica do comportamento clubista que reina entre nós há tempos.

O pior desse comportamento clubista é que as torcidas acreditam que são detentoras do monopólio das virtudes e que quem não faz parte do seu clube é dono do monopólio da maldade.

Porém é preciso ter consciência de que não há entre grupos humanos quem seja detentor desse monopólio das virtudes.

Em suma, regimes de esquerda foram responsáveis por atrocidades assim como regimes de direita também foram. Não há santos e puros nessa história.

Seria muito mais proveitoso que deixássemos essa discussão boba de lado e nos conscientizássemos de que o nazismo foi algo abominável e que jamais deveria voltar a existir.