[ Rápida Mudança de Julgamento ]

Até antes de ontem o deputado federal Waldir Maranhão não era visto como exemplo de parlamentar por uma boa parcela dos habitantes do setor brasileiro da Caverna do Facebook.

Ontem, o deputado federal Waldir Maranhão, depois de ter decidido anular a decisão do plenário da Câmara a respeito da continuidade do processo de impeachment da Presidente, se transformou para muitos no mais novo herói do povo brasileiro, o salvador da democracia, e mais uma penca de predicados elogiosos e até superlativos! Já circulava até uma hashtag com os dizeres: “Waldir Maranhão me representa”. Aposto que já tinha gente pensando em mudar a foto do perfil pela foto do Waldir Maranhão!!!

E não é que hoje, já vejo muitos que até ontem alçavam Waldir Maranhão à condição de herói já o tratam como sendo exemplo do que há de pior na política brasileira, uma verdadeira mosca do cocô do cavalo do bandido, dentre outros adjetivos nem um pouco elogiosos.

Impressionante como muitos mudam seu julgamento tão rapidamente bastando para isso que seus interesses sejam atendidos ou contrariados!!!

[ Reflexão acerca do comportamento dos Deputados Federais neste último domingo ]

narciso

Ao ver aquela algazarra, aquela balbúrdia, aquela falta de seriedade, um festival de posturas pouco sérias, uma verdadeira gincana colegial, ou Carnaval, sem falar nas bizarrices expostas, muitos brasileiros, e aí me incluo nesse conjunto, ficaram chocados!!

E pensar que é aquela turma quem deveria discutir alguns dos assuntos mais sérios que afetam os destinos de toda a nação.

Mas depois do choque inicial passei a refletir um pouco mais além do circo de domingo e tentei olhar um pouco para o eleitorado.

Fiquei imaginando: quem são os eleitores daqueles senhores e senhoras?! Qual será o perfil daqueles que votaram naqueles deputados?! Lembrando que todos ali receberam votos e não estão lá por geração espontânea ou desígnio divino. Ok?!

Claro que estou me referindo àqueles que mais chocaram. Pois teve parlamentares, ainda que poucos, que apresentaram uma postura mais digna da importância do cargo que eles exercem e da gravidade do momento.

Se eu fosse tomar como parâmetro somente o comportamento de vários deputados neste domingo e tudo aquilo que citei no primeiro parágrafo deste post, eu posso concluir que os eleitores destes deputados são igualmente pouco sérios e que não levam a sério situações críticas como a questão do impeachment.

Esse episódio também me fez lembrar que levar as coisas com mais seriedade não é lá o forte de boa parte do nosso povo. Somos naturalmente brincalhões, fazemos gozação com praticamente tudo mesmo, enfim, somos um povo zueiro!!! Assim sendo é possível acreditar que os brasileiros, de um certa maneira, neste domingo estiveram diante de um grande espelho no qual viram refletidos algumas de suas peculiaridades e de suas posturas pouco ortodoxas??!!

Enfim… Se a tese que levanto no parágrafo anterior for verdadeira, vou me valer de um verso de uma canção do Caetano Veloso: “É que Narciso acha feio o que não é espelho”. Mas nesse caso específico, Narciso ficou chocado quando ficou diante do espelho!!

[ Notas Para a Posteridade ]

Estes posts foram por mim publicados em minha conta do Facebook no dia 17 de abril, dia que a Câmara dos Deputados aprovou a continuidade do processo de impeachment da Presidente da República.

Os posts estão em ordem cronológica inversa, do mais recente ao mais antigo.

[ Fato Consumado ]

Está consumada essa etapa!!

Agora o processo segue para o julgamento dos Senadores.

O destino da nação vai para as mãos dos Senadores da República.

Muitas lições precisam ser aprendidas por eleitores e eleitos nesse capítulo da História republicana da nossa nação.

O futuro se apresenta bastante turvo ainda… 😦

[ Pensamento Pollyanesco ]

Quem sabe agora, depois dessa votação, os eleitores entendam que se deve ter imensa preocupação quanto ao voto em deputados, sejam eles estaduais ou federais, senadores e até mesmo vereadores.

[ O Segundo Mandamento sendo Violado ]

Do jeito que os deputados ao votar estão citado Deus é capaz Dele ser intimado a depor na Lava Jato.

E já imaginou se Ele resolve delatar tudo que Ele sabe sobre todos???!!!!!

😉

[ Dúvida ]

O Agildo Ribeiro foi eleito por que estado e por qual partido!!???

Tem um deputado ali dando uma de papagaio de pirata que a é a cara do Agildo!!!

[ Não foi geração espontânea ]

Interessante…

A moçada continua acreditando que a situação política do país chegou a esse ponto ou por geração espontânea ou por desígnio divino.

É preciso olhar lá atrás no tempo e ver as escolhas que foram feitas, os acordos que foram firmados, os aliados que foram acolhidos e os que foram deixados de lado, as mãos que foram beijadas, os abraços que foram dados e as poses que foram feitas para as lentes dos fotógrafos e cinegrafistas.

O que vemos hoje é tão somente a culminância de tudo aquilo que foi acordado em um tempo passado não muito distante.

E o que será o amanhã?! Eis a grande questão. Pois a conta de hoje só virá amanhã seja qual for o resultado de hoje. E para este banquete, nem vocês nem eu fomos convidados, mas a conta do mesmo chegará até nós.

[ Mais Uma do jornalista Josias de Souza ]

“De um líder político se espera que fixe padrões morais para os seus liderados. Diante das extravagantes negociações firmadas no Alvorada, no Jaburu e em anexos como o quarto de hotel que Lula converteu em bunker, não sobra no palco nenhum ator capaz de se firmar como uma liderança ética. A cruzada do impeachment descerá aos livros como um marco da falta de ética cujo epílogo será um acordo para livrar Eduardo Cunha da cassação.

Devagarinho, o fisiologismo e a imoralidade vão deixando de ser percebidos como parte do sistema. Passam a ser vistos como o próprio sistema. Tão integrados ao cenário brasiliense quanto as curvas dos palácios de Niemeyer”.

[ Um Instantâneo do Momento Político ]

“…os homens de bens da Câmara acompanham a cotação de Dilma e Temer, para investir seus votos naquele que oferecer as melhores perspectivas de lucro. Nesse mercado, você, caro contribuinte, entre com o prejuízo”.

Josias de Sousa, jornalista