[ Meu Olhar que Flanou por Minas – 06.01.2019 ]

Dia de Reis!!

Estava doido para ver alguma manifestação de reisados em Ouro Preto. Porém, devido a um pouco de ignorância minha, nas buscas que fazia no Google pouco encontrava. Cheguei até perguntar a um funcionário do Centro de Informações Turísticas, mas não tive lá muito sucesso. O motivo das buscas infrutíferas chega a ser pitoresco: em Ouro Preto não chamamos reisados mas sim reinados. Enfim, quando finalmente descobri onde ver essa manifestação de cultura popular (na Igreja de Santa Efigênia) não tinha como ir pois era no mesmo horário que havia programado outro passeio.

Assim sendo, nosso dia começou na estação de trem de Ouro Preto para pegar o trem da Vale para uma pequena viagem até Mariana. É uma viagem bem curtinha mesmo. Dura somente uma hora. E poderia ser menos tempo ainda pois a distância é de apenas 18 quilômetros. E dura uma hora?! Sim!!! É que o trem vai a módicos 20 km/h… Ao longo da viagem um funcionário vai explicando algumas curiosidades interessantes do caminho. Ah… Há quatro túneis no caminho.

Chegando em Mariana tivemos pouco mais de duas horas para bater perna pela cidade uma vez que o trem de volta saia as treze horas.

Já havíamos estado em Mariana em 2005 e portanto o pouco tempo de que dispúnhamos lá não foi assim tão aflitivo.

Quando regressamos para Ouro Preto resolvemos explorar uma parte da cidade que não havíamos conhecido em 2005. E lá fomos nós em direção da Igreja Matriz de N. S. da Conceição. Sobe e desce ladeira… E passamos pela Igreja de N. S. das Mercês e Perdões, bem como pela Igreja de S. Francisco de Assis. Finalizamos este dia dando um tempo na feirinha de artesanato.


[ Meu Olhar que Flanou por Minas – 05.01.2019 ]

Chegamos em Ouro Preto no dia 04. A primeira vez que estivemos nesta cidade foi em 2005. Ficamos imaginando que novidades nos aguardaria em Ouro Preto.

Bem… Parece ser um desejo um tanto quanto estranho esperar novidades em uma cidade histórica, né??!!!

Para nossa grata surpresa tivemos. O Museu da Inconfidência está completamente diferente. Claro, não por fora, mas por dentro. Não vou descrever só para aguçar mais ainda a curiosidade de vocês, caros leitores. Não pude entrar com minha máquina fotográfica. Porém as fotos feitas através de telefone celular eram permitidas (curioso, não??!!). As fotos que consegui fazer estão em meu Instragram. Ah… Outra grata surpresa no Museu da Inconfidência foi a seção de arte sacra. Tudo muito bonito!!! Vale demais visitar!!

Apesar da surpresa boa quanto ao Museu da Inconfidência preciso admitir que algumas coisas me deixaram desapontado. Uma delas é que algumas igrejas, pelo menos as que eu vi de perto, estão precisando de uma boa mão de tinta por fora. Em uma delas, a Igreja de N. S. das Mercês, o teto está danificado e segundo o rapaz que lá nos recebeu, há um sem número de goteiras.

É muito triste ver um patrimônio histórico tão rico e tão importante para nossa gente se encontrar assim.