[ Grandes Frustrações ]

O sujeito fica louco, com raiva de tudo e de todos, esbraveja, falta soltar raios pelos olhos de tanta ira somente porque aquela teoria que ele levou tanto tempo formulando não está sendo seguida à risca pela realidade.

Ele bate o pé e grita dizendo que a realidade nunca aprende, que ela insiste em não seguir a teoria que ele criou.

“A culpa é toda da realidade!!!! É ela que insiste em não me obedecer!!! Se ela tivesse seguido a minha teoria não estaríamos neste estado!!! Maldita realidade que não me obedece!!!”, diz o sujeito encolerizado e espumando de tanta raiva.

E assim o sujeito vai tocando sua vida sempre lastimando o fato da realidade nunca se adequar à sua teoria que ficou tão boa, tão perfeita, tão primorosa.

Maldita realidade…

[ E o que não se vê? ]

Em muitas rodas de conversas sobre fotografia gosto de provocar os presentes com esta questão: e o que não está na foto?? E o que não foi enquadrado? Por que o fotógrafo enquadrou isso e deixou tantas outras coisas de fora?

Sabemos que toda e qualquer fotografia é, antes de mais nada, um recorte da realidade, é um instante, não é um todo. Não é possível colocar o mundo dentro do fotograma ou sensor, na proporção 3:2!! Não, a fotografia não é um retrato fiel da realidade. Ela é uma interpretação do que o fotógrafo está vendo! Ela é aquilo que o fotógrafo quer que vejamos!

A realidade é bem mais complexa do que aquele instante que foi percebido pelo fotógrafo e que foi “congelado” pelo mesmo num fotograma ou num conjunto de bits!

Tomando como ponto de partida esta questão podemos nos perguntar a respeito das notícias que nos chegam tanto pelos meios tradicionais, tais como jornais, revistas, televisão, rádio, como também pelos mais modernos, como a internet e suas redes sociais.

E o que não nos é mostrado?? E o que o cinegrafista da rede de TV não filmou??? E o que o repórter não conseguiu ver?? E o que o pessoal das mídias alternativas não conseguiu perceber??

Ler o mundo a nossa volta requer não somente capacidade de processar a sintaxe do mundo. A decodificação de símbolos pode ser feita até mesmo por dispositivos eletrônicos. Aliás, eles fazem isso melhor do que nós desde que sejam devidamente programados. A leitura do mundo envolve muito mais do que sintaxe. A leitura do mundo é bem mais semântica! E a semântica do mundo é deveras complexa (por isso que ainda não temos bons programas de IA que lidem com isso. Quem sabe no futuro…)

Compreender a semântica dos acontecimentos que nos são transmitidos por qualquer meio requer um apurado senso crítico e alguma dose de ceticismo. É claro que todos os nossos valores e crenças estarão sendo adicionados quando fazemos este exercício de ler o mundo. A compreensão de algo vai muito além da simples leitura do mesmo e assimilação do que foi dito. Compreender requer mais esforço intelectual.

Acredito que em toda história que nos é contada existe sempre mais de um lado e todo um conjunto de complexas questões em torno dela. Isso me faz lembrar os versos de uma canção da Legião Urbana que diz “o mundo anda tão complicado”. Diria que o mundo está mesmo é cada vez mais complexo também. E compreender a complexidade do mundo não é tarefa fácil, ainda mais quando se tenta reduzir esta complexidade fazendo com que ela seja algo simplório.

P.S.: na fotografia anexa a este post vemos Kevin Carter. Quem fez a foto foi Greg Marinovich.

[ O Mundo da Imaginação ]

A imaginação é infinitamente maior que a realidade.

As frustrações começam quando tentamos encaixar no mundo real o mundo imaginário que criamos.

As frustrações se tornam maiores a partir do momento que nos damos conta de que no mundo da Imaginação TUDO está sob nosso controle ao passo que no mundo real pouca coisa podemos de fato controlar.

As frustrações ganham novas dimensões tão logo compreendemos que a teoria que criamos no mundo da imaginação só funciona do jeito que queremos lá.

As frustrações se tornam massacrantes assim que entendemos que não é possivel viver somente no mundo da imaginação.

É preciso deixar o mundo da imaginação e partir para a ação. Somente a ação é capaz de transformar em realidade aquilo que foi imaginado. Somente a ação é capaz de demonstrar a teoria. Teoria sem demonstração pode até ser bonita. Mas teoria bonita que não funciona no mundo real é inútil.

[ Realidade é o que cada um vê ]

A realidade parece mesmo ser aquilo que cada um enxerga, a forma como cada um percebe e interpreta o mundo ao seu redor. A realidade está em nossa mente primeiramente!

Essa maneira de ler o mundo, de compreender aquilo que se apresenta diante dos nossos olhos depende demais da forma como cada um se construiu como indivíduo. São os livros, revistas e jornais que você leu, as aulas que mais gostou e também as que mais detestou, os filmes e peças de teatro que assistiu, enfim, é a sua bagagem cultural que tanto define quem você é como também a forma como você enxerga a realidade a seu redor.

E ainda bem que cada um enxerga a realidade à sua maneira! Que bom que cada um pode fazer a sua própria construção de mundo. Que felicidade que a cada um cabe criar a sua realidade.

Seria muito ruim se fosse imposto a cada um de nós um modelo ideal pensado por outrem, um planejador central, e que devêssemos seguir inconteste, de maneira quase dogmática. Seríamos um grande rebanho!! Mas a espécie humana tem essa particularidade de não aceitar essa padronização da forma como cada um percebe a sua realidade.

É igualmente ruim quando alguém ou um grupo não respeita esse princípio e tenta de todas as formas impor a sua visão de mundo aos demais. Talvez seja uma das piores formas de agressão e violência.

Da mesma forma que é altamente violenta a tentativa de alguém na ânsia de fazer sua visão de mundo se sobrepor às demais tentar eliminar, através de atos violentos e de perseguição, a visão de mundo dos demais.

Ah! Se cada um respeitasse a visão de mundo, a forma como cada um percebe o mundo. O mundo seria muito mais tolerante!!

😉

​[ Teoria versus Realidade ]

Uma coisa é uma teoria pretender explicar a realidade ou um determinado fenômeno. 
Até aí tudo bem…

Outra coisa bem diferente é alguém querer a todo custo que a realidade ou o fenômeno se encaixe, ou se adapte, ou se adeque a uma determinada teoria para que o mesmo possa vir a ser explicado através daquela!!

Poxa, gente, não dá para inverter a ordem das coisas!!!

E pior ainda é querer que essa inversão seja sumariamente aceita por todos!!! Assim já beira a imposição!!!

Se a sua teoria não é suficiente para explicar certo fenômeno ou realidade, o problema está na sua teoria e não no fenômeno ou realidade que você pretende  explicar!!!

😉