[ Homenagem ao Mestre ]

A noite de 19 de outubro de 2017 está marcada em minha memória. Neste noite realizamos o encerramento da VI Semana do Curso de Ciências da Computação. Curso este onde sou professor e também já fui aluno.

Em um dos momentos da noite fiquei encarregado de fazer uma homenagem a um ex-professor e ex-colega de curso que por motivos de saúde precisou aposentar-se.

Logo abaixo está o texto que li em homenagem ao Prof. Júnior. Logo em seguida algumas fotos que ganharão muito mais significado com o passar do tempo.

Além do prof. Júnior homenageamos também a D. Anastácia que durante muitos anos foi secretária do Curso de Ciências da Computação

Ao Mestre Com Carinho

Antes de dar prosseguimento à minha fala preciso dizer que fiquei muito honrado com esta missão que recebi dos estudantes do Curso, representados pelo presidente do Centro Acadêmico. Moçada, valeu demais!!!! Vocês são 10/10!!!

Muitos aqui, especialmente os mais jovens, não sabem, mas quando o professor Júnior chegou no CIUVA, ou melhor, no Centro de Informática da UVA, tudo era mato!!!! Naqueles dias ainda estava longe a chegada da internet comercial no Brasil. Apenas as Universidades e tenho pra mim que não eram todas, bem como outros centros de pesquisa, possuíam conexão com a RNP – Rede Nacional de Pesquisa (para maiores informações, por favor buscar junto àquele que tudo sabe, o Google).

Imagino que foram imensos os desafios que o Prof. Júnior enfrentou naquela época… Mas vamos avançar um pouco na história…

Há 20 anos nascia nosso curso de Ciências da Computação. Esse curso tem vários pais e algumas mães (sim, pessoal, houve uma época em que além da profa. Lorena havia pelo menos mais outra professora!!!! Lembranças à Profa. Gladsa Castro. Acho que vários de nós aqui são sobreviventes de Banco de Dados II, com a Gladsa!!!!) Mas essas lembranças já foram muito bem expostas pelo Prof. Lourival na abertura do evento…

Já que estamos falando de histórias, agora preciso contar para vocês um pouco da minha história que tem a participação do Prof. Júnior. A nossa história começa quando eu era aluno do Curso de Tecnologia da Construção Civil. Naquela época, em praticamente todos os cursos da UVA havia a disciplina Introdução à Ciência da Computação, popular ICC. E foi nessa disciplina que fui aluno o Prof. Júnior pela primeira vez. Foi o professor Júnior quem me ensinou, não o Bê-a-Bá, mas sim os primeiros comandos do MS-DOS (Xóvens… Depois o tio aqui fará um seminário sobre História Recente da Computação e nele contará para vocês o que era o MS-DOS).

O tempo passou, eu me formei em Tecnologia da Construção Civil, apesar de nunca ter projetado uma casa de cachorros ou galinheiro. Mas antes mesmo de terminar Tecnologia comecei a trair as telhas e os tijolos com os bits e bytes. E nesse momento meus caminhos cruzam novamente com os do prof. Júnior. Foi quando comecei a me interessar por programação de computadores. E aí surgiu a oportunidade de fazer um curso de Lógica de Programação, ministrado pelo Prof. Júnior. Acho que foi uma das primeiras ações de extensão do Curso de Ciências da Computação. E lá fui eu, assim como muitos, ouvir falar da caixinhas, como analogia às variáveis!Quem foi aluno do prof. Júnior deve lembrar muito bem dessa analogia assim como sua paixão pelo Santos, seu time do coração!

Curso feito, fiquei com nota sete no final!!! Prof. o certificado está aqui!!!! Depois eu mostro pra moçada!!!!

Depois de algum tempo “brincando” com os bits e bytes num projeto que eu trabalhava aqui na Universidade resolvi criar vergonha na cara e fazer o vestibular para Computação. E foi então que novamente o professor Júnior se torna personagem na minha história de vida. Como aluno da Computação (entrei em 2000, se não me falhe a memória) tive o prof. Júnior como Coordenador. lembro que o curso funcionava lá no Campus da Betânia, numas salas que durante o turno da manhã funcionava o Curso de Zootecnia. Nosso laboratório de informática era bem modesto. Bom, comparado ao que temos hoje em dia ele estava abaixo da linha da pobreza. Mas foi naquele modesto laboratório que muitos de nós aqui demos nossos primeiros passos no mundo da computação.

Novo salto na história senão a gente não sairemos daqui hoje!!!!

Em 2008, assumi como professor efetivo do curso. Antes dessa data já havia sido professor substituto (por isso, Igor que todo ano no Dia do Professor eu faço aquela postagem do seu Madruga como professor. Sacou??!!) E assim que assumi a vaga como professor, agora mais do que nunca sendo colega de vários ex-professores, o prof. Lourival me deu de “presente” a Coordenação do Curso!!! E a partir daquele momento além de ser colega do prof. Junior estava sendo seu coordenador. Vocês não imaginam como tudo aquilo me pareceu estranho num primeiro momento. Mas ao mesmo tempo me enchia de felicidade. Pois devia a estes agora colegas professores a minha formação. Aproveito para agradecer a eles por me ajudar a ser o que sou hoje! O professor Hudson tem um pouquinho de cada um vocês. Sintam-se homenageados.

Mas o homenageado da noite é o professor Júnior. Hoje pela manhã disse aos meus padawans do primeiro e do segundo período que haveria essa homenagem e que eles deveriam vir aqui conhecer o homem que foi um dos idealizadores desse curso. O homem que um dia sonhou com um Curso de Ciências da Computação em pleno semiárido cearense. Ele sonhou e realizou. Enfrentou muitos desafios e venceu todos. O homem que ajudou muitos de nós a organizar seus pensamentos, afinal de contas, a tarefa principal da Lógica de Programação é issa. Esse homem que hoje olha para nós que somos cria do Curso de Ciências da Computação e lá no seu íntimo deve pensar: “Missão cumprida!!” Prof. Júnior em nome de todos os estudantes e ex-estudantes do Curso de Ciências da Computação, deixo aqui registrado o nosso muito, muito obrigado mesmo!!! Somos eternamente gratos a você!!!

 

[ Uma Sugestão para Sobral ]

Faz alguns meses que venho me deslocando pela cidade em uma bicicleta. Confesso que foi uma das melhores compras que fiz nos últimos tempos.

Meus trajetos não são lá muito grandes. Coisa de uns 5 km por viagem. Geralmente é: academia -> casa, casa -> Campus da CIDAO -> casa e aqui e acolá, casa -> Becco do Cotovelo – > casa.

Ao longo desses dias me deslocando pelas ruas da cidade na condição de ciclista pude perceber empiricamente algo que somente especulativamente já tinha em mente: Sobral ainda não é uma cidade adequada para quem se desloca por ela de bicicleta.

Essa minha constatação está baseada nos seguintes pontos:

  1. Não há faixa exclusiva para ciclistas em praticamente 90% da cidade. A única ciclofaixa que conheço fica nos bairros Sinhá Sabóia, COHAB I e II (confesso que mesmo depois de 20 anos morando em Sobral não sei distinguir esses três bairros. Não sei onde começa um e termina o outro. Pra mim é tudo uma coisa só).
  2. As poucas ciclovias que a cidade possui estão em péssimo estado de conservação. São tantos buracos que desencoraja qualquer um de andar por elas. Há alguns trechos bons, mas são poucos.
  3. Boa parte dos motoristas e motociclistas não respeitam o ciclista. Claro que há ciclistas imprudentes, que não respeitam o sinal vermelho e nem muito menos o fluxo dos veículos.

Pois muito bem…

Diante do exposto, venho através deste fazer algumas propostas para tornar Sobral uma cidade mais adequada aos ciclistas.

  1. Criar ciclofaixas, inicialmente nas principais artérias de tráfego da cidade. A meu ver são as seguintes vias: Av. Dom José, Av. do Contorno e Av. Pericentral. Nas avenidas Dom José e do Contorno, creio que seria necessário impedir o estacionamento de carros ao longo das vias para que a ciclofaixa pudesse ser feita. Claro que isso iria provocar uma briga com os donos de veículos que deixam seus carros estacionados na rua. Mas… Não se pode fazer uma omelete sem quebrar os ovos. Sem falar que isso também iria de alguma forma fazer o tráfego fluir mais nessas vias. Mas teria que proibir de fato, multando mesmo quem desrespeitasse a regra.
  2. Fazer a manutenção das ciclovias que existem e que estão muito esburacadas.
  3. Campanhas de conscientização junto aos motoristas, motociclistas e ciclistas também. Educar mesmo a moçada!!!
  4. Criação de bicicletários em vários pontos da cidade.
  5. Permitir a entrada de bicicletas no VLT. Poderia ser apenas no segundo vagão. Creio que isso aumentaria o fluxo de passageiros no VLT.

Bom, essas são apenas algumas sugestões que podem e devem ser aprimoradas. Não sei se esse meu texto chegará até o gestor municipal ou alguém lá da Prefeitura. De toda forma, eis a minha contribuição para fazer Sobral um lugarzim melhor de se viver!!!!

😉

[ Exposição “A Poesia é Um Saco” no ExpoArte do North Shopping de Sobral ]

A exposição “A Poesia é um Saco” é uma homenagem ao movimento homônimo que há cerca de cinco anos faz as manhãs de sábado do Becco do Cotovelo serem mais poéticas e mais animadas.

O movimento A Poesia é Um Saco reúne diversos artistas (poetas, atores, escritores, fotógrafos, dentre outros) semanalmente na Lanchonete Sobral, no coração do Becco do Cotovelo.

Faz parte das ações do movimento a distribuição de poesias aos que passam pelo Becco do Cotovelo, bem como declamação de poesias e até mesmo distribuição e lançamentos de livros.

Não somente de poesia vive o movimento. De tempos em tempos há muita música ao som de voz e violão.

Ao longo desses cinco anos, Hudson Costa, professor universitário e fotógrafo, vem participando ativamente das ações semanais do grupo. Sua principal contribuição é documentar fotograficamente cada edição dos encontros.

A exposição “A Poesia é Um Saco” acontece do dia 1o ao dia 30 de abril, no ExpoArte do North Shopping de Sobral.

Abaixo são as fotos que estão expostas.

[ Exposição “A Poesia é Um Saco” no ExpoArte do North Shopping de Sobral ]

A exposição “A Poesia é um Saco” é uma homenagem ao movimento homônimo que há cerca de cinco anos faz as manhãs de sábado do Becco do Cotovelo serem mais poéticas e mais animadas.

O movimento A Poesia é Um Saco reúne diversos artistas (poetas, atores, escritores, fotógrafos, dentre outros) semanalmente na Lanchonete Sobral, no coração do Becco do Cotovelo.

Faz parte das ações do movimento a distribuição de poesias aos que passam pelo Becco do Cotovelo, bem como declamação de poesias e até mesmo distribuição e lançamentos de livros.

Não somente de poesia vive o movimento. De tempos em tempos há muita música ao som de voz e violão.

Ao longo desses cinco anos, Hudson Costa, professor universitário e fotógrafo, vem participando ativamente das ações semanais do grupo. Sua principal contribuição é documentar fotograficamente cada edição dos encontros.

A exposição “A Poesia é Um Saco” acontece do dia 1o ao dia 30 de abril, no ExpoArte do North Shopping de Sobral.